terça-feira, 8 de março de 2011

Fala

falo do pescoço

o gosto em fileira

a caça aglutina


no tronco cutâneo

falo do cabelo

a pele envolvida

agora encaracola

medo de visita

falo da vista

um olho e uma pista

nunca estive calado

nem à esse respeito

falo de memória

a queda do quintal

e cada fala alcançada

falo sem curativo

Nenhum comentário:

Pesquisar este blog