quinta-feira, 14 de abril de 2011

Las Morales Dobles de Wilson - Sobre o Pacto da Frontalidade

"Eu tenho a medida que designo – e este é o esplendor de se ter uma linguagem. Mas eu tenho muito mais à medida que não consigo designar. A realidade é a matéria-prima, a linguagem é o modo como vou busca-la – e como não acho. Mas é do buscar e não achar que nasce o que eu não conhecia, e que instantaneamente reconheço. A linguagem é o meu esforço humano. Por destino tenho que ir buscar e por destino volto com as mãos vazias. Mas – volto com o indizível. O indizível só me poderá ser dado através do fracasso de minha linguagem. Só quando falha a construção, é que obtenho o que ela não conseguiu."

Clarice Lispector, A Paixão Segundo G.H.

Curitiba - Há alguns dias anteriores ao dia 09/04, quando o Núcleo de Espetacularidades apresentou a pré-estreia de Las Morales Doubles de Wilson, escrevi um texto neste blog, que nas "redes sociais" anunciei como sendo sobre o caos e o processo em Las Morales. Este texto está aqui.


(Mariana Zimmermann em Las Morales; Foto: Talita Morais)


Não tenho muito para escrever aqui sobre a apresentação, mas um pouco tenho. É o pouco que se relaciona com a postagem em questão. Primeiro, que foi a primeira vez que de fato entendi o esqueleto onde este caos e este processo se deram. O esqueleto que mostramos à quase cinquenta pessoas. Ainda com poucas articulações, e nada de cartilagem. Cheio de erros. E cheio de acertos. E toda uma falta de cuidado que se arrisca, funambulescamente, a ser uma justificativa de olhos vendados, de certa circustancia ("marginal" ou outro nome) na qual nosso grupo se encontra.


(Léo Glück em Las Morales; Foto: Talita Morais)

Cogitações. O Núcleo de Espetacularidades é um núcleo porque se trata de um momento específico da experiência de encontro. A especificidade é o espetáculo. A frontalidade, sobre a qual escrevi, sobre a qual tenho me interrogado. Fiquei intrigado com a apresentação. E encantado. E aqui encontro uma maneira de pensar sobre estas impressões, já que viver dos seus afetos, e das suas afetações, certamente não é o suficiente. Já que me intrigo tanto com a frontalidade e com o pacto instaurado de parar para ver o outro.


(Mariana Zimmermann, Clarissa Oliveira e Guilherme Marks em Las Morales; Fotos: Talita Morais)


O que me interessa no parar para ver o outro é o encantamento. A espetacularidade, que é alquímica por esta própria condição de pacto. Mas, quando penso em pacto, com todo o amadorismo arqueológico que me persegue, não acho que o pacto tenha acontecido quando uma pessoa contava histórias e a(s) outra(s) ouvia(m). Porque sempre tem alguém debochando de quem está falando. Que não tem o mínimo interesse na história sendo contada, mas, por exemplo, está impressionada com o tamanho do nariz do contador. Então, pelo menos para mim, não é por aí. E isso não é uma postura que se opõe a contação de história, digamos assim, mas uma carência de mais elementos de caracterização presentes na própria maneira que se dá a falaria. Por essa carência sempre tem alguém debochando ou (o que não é muito diferente) celebrando. Ou de saco cheio. Porque quando penso em pacto penso em morte. O grande pacto. Que, graças a Deus, acontece com tudo. Então, fico pensando, nos primeiros seres humanos, quando eles viram alguém, que era vivo, morto. E agora?


(Ricardo Nolasco em Las Morales; Fotos: Talita Morais)

Não sou historiador, com isso só estou querendo incrementar minha intriga, meu intrigamento, com o pacto da frontalidade. Esse pacto acontece, na minha opinião, quando alguém é afetado pela impressão de morte no que causa impressão de vida. Está ficando mais claro isso para mim, através das experiências mais práticas (ensaios e apresentações). E quanto a apresentação, fiquei feliz e triste. Odiei ter ficado no mesanino, embora não houvesse outra opção técnicamente viável. Detestei a falta de cuidado com o outro, sintoma de que há uma humanidade prosseguindo em problemas de convivência. Há uma humanidade prosseguindo sem que haja algum parâmetro de convivência que tenha alcançado a mesma etapa de prosseguimento. Depois de anos e anos de confrontamento com a morte. Amo todas as presenças desta peça, e estou também em transe, tentando me segurar para não perder minhas referências de como organizar esta processualidade que estamos inventando. E esta apresentação, desastrosa e deleitosa, responsável e revogável, causou os impactos mais importantes e mais necessários para a reflexão da minha função neste mundo. Uma das minhas funções neste mundo cruel e besta.


(Las Morales - 09/04/11 - Curitiba - Fotos: Talita Morais)


O Núcleo de Espetacularidades existe desde 2006, e tem sua sede em Curitiba, embora não possua (e esteja precisando de) um espaço fixo para o prosseguimento da sua pesquisa. É composto pelo encontro de inúmeros artistas, e pelas influências que estes imprimiram durante a sua passagem pelo grupo, e também pelo derrubamento dessas impressões.

Límerson,

Autor e Diretor de Teatro

Abril, 2011

3 comentários:

Felipe Chaves disse...

muita saúde ao grupo.

Felipe Chaves disse...

tá, eu falei "grupo" só para irritar, confesso.

Límerson disse...

Ahhhhaha... Felipe, imaginei que "saúde" tivesse sido só para irritar.

Pesquisar este blog