sábado, 1 de outubro de 2011

Penélope Pileata - Notas de Ensaios


18/07/2011

caminhada lenta. gira grito curvo retorna ao lugar de onde saiu com os olhos. de onde saiu com os olhos o cru. cru. cruvo. curvo. penélope é uma galinha corvo pileata bem afeiçoada que com um par de óculos parece impor mais respeito que com um par de asas. termino anotando tudo, pingando baba da barba. não tem lamento, alem do lamento. alem da raiva e da explosão, calma. a pata levanta e bate no chão. a pata levanta e bate no chão. a pata levanta e bate no chão. o vôo mal fadado tem mãos, e não haveria um fado melhor, nem melhor não. e o fado é qual. o sorriso feioso, finamente narcísico, provoca o rebolado. explode o rebolado. estoura no quadril quadrilátero a boca preta de buracos.

22/07/2011

eu quero explodir. querer a explosão pode ser uma forma eficiente de gerar ansiedade, e estimular a confusão de tudo com tudo. não quero a explosão. eu perdi a respiração da experiência anterior. que também não era uma respiração específica, da qual eu pudesse necessariamente sentir falta. hoje foi totalmente oscilante. querer explodir é assim. aconteceu na máscara de sorriso-nojo. a ave que ri. e em boa parte de movimentos do quadril que chamo espirais quadriláteros. acho que vou começar em pé. ou melhor, vou começar repetindo as ações deitar-levantar... algumas vezes. para iniciar a caminhada em pé. até mesmo a pata que bate no chão eu perdi. não houve raiva e explosão que eu procurava por raiva e explosão vendo de longe como quem não vê de dentro. a respiração é o vestígio, o ar é a pólvora sacrificial.

25/07/2011

a respiração é a entidade, o corpo se apoia na continuidade, ainda que conceitual, ainda que perspectivista. estou perdendo minha mãe e me transformando num pássaro. estou perdendo meu pai porque sempre fui uma mulher. sempre fui o inventor da mulher do meu pai. tenho preferência por horários ao redor do começo da tarde, são ideais para ensaios desse tipo. ainda que sem clareza do que vai ser o acontecimento, uma vez que encaro isso como uma novidade, sinto carência da previsibilidade, de condensar marcações, e fazer de todo detalhe, vertical ou horizontal, uma nítida alusão a convención, hoje eu entendi a respiração do trabalho.

Nenhum comentário:

Pesquisar este blog