segunda-feira, 8 de outubro de 2012

eletrocutado


um choque percorre meu eixo e explode em facetas libertárias excretoras de baba

em gotas da escuridão lúbrica tidas como objeto de desejo de uma mata fechada

cada pedra nomeada com designação de parentescos apara as arestas e abraça

ecoa de cada memória escrita um alumbramento expressivo da oralidade

pela suspeita extasiada da ameaça e da presença que tem corpo

o corpo de um instrumento musical intencionado de madeira

uma história que conta, que canta, que dança e silencia

em sua quimérica e efêmera vontade de ruptura

o tigre dos meus ombros desliza pelos dedos

envelhecendo em estado de magia

Nenhum comentário:

Pesquisar este blog