quinta-feira, 20 de junho de 2013

Poema em Off usado na performance Dzi Corsécluso



Fotos - Eliana Borges - IOrnitorrinco


Dzi corsécluso. Dzi corsécluso, despimenta inaugural. Ziiiiiii. Eco lo qual? Dziiiiii. Eco lo qual? Tdziiiiiii. Echolocualz?
Dzi Corsécluso. Sos beintidos. Disléx yx machinna. Transex ex machinna, Cross dress X – box.
Dzi Corsécluso being beintiuno beintidos.

Espetáculo barnabé que antena arraiga toda zéra tombará.
Caipora de zinco esfarrapa meu parangolé.

Dzi croquéclusos que dzirculam pelos sescs, e também pelo cescs, e ao longo da triste distritópolis e da pluri púbis, que é um país em clausura di clausula e casulo de clausura discurcidada. Fora de tudo. Fora de tudo. Fora onde é dentro. Fora onde é dentro. Agreste de antena arraigada, está na hora da derrubada, my pai. Oh, my pai.

Era Dziéculo Z. Tri croquetes atacam-se à burla.
Ka buLra! O burlaco embaisso na cauda saída da boca.
Ka burla o nó no caudo do canudo. A caneca vazôa e ecôa porque enfim deu derrubo de calda.
Ka vazôa que eclusa entre a plausía e a pílula.

Há de se habsituar as plumas entre as palmas para tantos Dzi Corséclusos, em cerimonia despimenta inaugural. 

Ziiiiiii. Eco lo qual? Dziiiiii. Eco lo qual? Tdziiiiiii. Echolocualz? 





Nenhum comentário:

Pesquisar este blog