quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

hibernações


1

no hay musa. there is no museum. o manequim roubado teve que ser despedaçado para atravessar as grades. e mesmo assim era o sonho do lugar de carne e osso. ali o teatro deve ser o espírito santo. ali o teatro deve ser o amém. ali no teatro de amendoim a casca plástica de amém pode alimentar uma nova atriz? era assim o sonho do lugar de carne e osso, sem lustre um teatro inteiro está pegando fogo.

2

um teatro por inteiro? me veja uma porção de amendoim, me veja. me veja uma porção de carne humana vegana, me veja. me veja um ingresso pra roda girante, me veja. mas um não muito no centro, porque muito no centro os perdigotos protagonizam, me veja. temos lugares com uma visão privilegiada na história das vozes em off, mas todos giram e atravessam as bocas, e alimentam todos os papeis. quem são eles?


3

estão batendo palma lá fora. devem ser os aplausos. eles chegam através das infiltrações na quarta parede. _______________está em um relacionamento aberto com a quarta parede. mas, como os esqueletos são seus astrolábios íntimos, cativou a pele da jaula com a mão no buraco da ________________.


domingo, 5 de janeiro de 2014

Sabores de sorvete


absorvo sabores de sorvete no derretimento de tudo isso e ralento em transbordamento
o que está dentro dos entreatos triangula numa lua contínua
são pedras que se reproduzem através de furos na língua
tintas na pele sob a sombra diante do espelho
relato atrás da sombra do retrato derretendo
os pés sobre a brasa nos olhos
de sapateado na parede

absorvo sabores de sorvete.

Bauru - 2013

Pesquisar este blog