terça-feira, 29 de julho de 2014

SHE

Palco de dança flamenca destrinchada em três, e depois com correntes dentro do peito que devora memória com coração e coração com memória. O fato é que, por falar em palavra, três ou quatro das de ontem perderam o sentido. Três ou quatro das palavras de ontem esvaziaram a noite de sentido. O colapso ou o dissenso entre as atribuições de sentido, esvazia o sentido através do desgaste e/ou da derrota. O olfato é o que entre duas pessoas cria a invisibilidade que dilacera terceiras. É a gira do sentido, a noite da loucura, um retrato em baixa resolução com pessoas voltando pra casa, e ruído concentrado em primeiro plano.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Árvore-Tipo - Performance de Reza Interior que Molha Papeis

Última versão da performance Árvore-tipo, inspirada na leitura de 'Marcel Duchamp ou o Castelo da Pureza' de Octavio Paz. Performance de molhar folhas de papel com escritos diversos, que comportam cerca de 10 anos escrevendo. Enxaguar os papeis. E ainda sobraram muitos papeis secos. Como é de costume o último ato nos leva a pelo menos outros cinco últimos atos, que levam a pelo menos mais vinte e cinco últimos atos cada um. É, deve ser realmente o fim.

Agradeço ao Aran Carriel pelo espaço no evento secreto, e às bandas e ao público com quem dividimos o espaço. Obrigado também ao Walace Brassero ator e jardineiro telecinético com quem trabalho desde bons tempos, e as criações/execuções musicais junto ao Outro Núcleo de Espetacularidades pelo músico Marcos Tamamati. Finalmente, obrigado pelos registros, dessa performance e da anterior, em foto e vídeo, pela Andreia Costa e Diego Pessoa

O primeiro ato desse processo ocorreu em Bauru no ano passado, bruxaria deste vídeo. Depois vieram as performances no Exílio ArtPub, no Espaço Protótipo e em Lençóis Paulista. Patrocinado por nenhuma empresa e aprovado por nenhum edital de nenhuma instituição, por isso obrigado por acompanhar esses trabalhos. São importantes porque marcam a continuidade da poesia e da performance na minha vida depois de voltar a morar em Bauru. É importante encerrá-los, realizar a última versão destes, para ficar de novo sem ter pra onde ir, ter de começar de novo, à partir de outra abertura. São giros disruptivos que permitem a continuidade.

terça-feira, 8 de julho de 2014

Zumthor entre aspas

Quando criança eu sapateei duas vezes na sepultura desse hino nacional. A primeira foi por espontaneidade. A segunda foi uma punição pela espontaneidade. E a punição era repetir a espontaneidade. 'Faz de novo aquilo que você estava fazendo. Faz agora aquilo que você estava fazendo. Ei, você!' Assim começa o passado, depois do último passo dá o nome aquele estado de passagem. Aquele cujo caligrama, supondo um 'assassinato da narrativa', vem com acompanhamento gestual. Então eu batizo o nome disso, cantando e sapateando no 'grafismo traçado pela presença'.
https://www.youtube.com/watch?v=SSulycqZH-U

Pesquisar este blog