terça-feira, 26 de agosto de 2014

Entrelinhas “entre parênteses”



A primeira palavra é muro. Depois é exército. E então, Deus é a palavra lugar. Uma ferida corta dentro bem no meio da pele uma palavra consumida na casca de terra. Este lugar respira debaixo da pele consumida na terra. Um gesto limite de língua visto na pele da terra da voz.

Casca de pele ferida no nariz referido. Pele dentro da casca de terra ferida, e um sinal na pele consumida que ocupa o lugar. Cascas dentro da terra consumida no lugar do nariz referido. Entre cascas de pele ferida e o nariz da terra consumida. São entrelinhas entre parênteses vistas nos lugares entre aspas.

E cascas de pele entrelinhas dentro do nariz entre aspas. Um sinal de pele, debaixo da casca entre parênteses, é a pele da ferida consumida que ocupa o lugar. Aspas penetram na terra consumida, e um sinal entre parênteses é visto no lugar do nariz humano: o nariz da terra entre aspas descasca entrelinhas.


Muro é o lugar da primeira palavra. E no lugar do muro a ferida da primeira palavra. E no seu lugar um gesto de língua escuta. A língua encosta no muro no lugar de alcançar a ponta do nariz. E o muro no lugar do lugar debaixo do lugar foi visto bem debaixo do teu nariz.  

Nenhum comentário:

Pesquisar este blog