sábado, 27 de dezembro de 2014

Pelo menos ele faz aquela dancinha



E ficou olhando igual uma plateia olha. Sempre com muita atenção, pelo menos até ele começar a fazer aquela dancinha. 

- Você fica aí chorando pelas portas abertas, como se elas estivessem penduradas das suas máculas.

- Deus se ouça, ela disse. Deus se ouça.

- Não sei por que não fecha essas portas de uma vez ao invés de ficar aí chorando.

- Deus se ouça, ela disse. Deus se ouça.

Ele diz que estava escrevendo. Um diálogo “Do mais excruciante Dezembro”, 2014, um livro fictício.

- Fale mais sobre isso.

- Do mais excruciante Dezembro é o mais excruciante Janeiro, é o mais excruciante Fevereiro, é o mais excruciante Março, é o mais excruciante Abril, é o mais excruciante Maio, é o mais excruciante Junho, é o mais excruciante Julho, é o mais excruciante Agosto, é o mais excruciante Setembro, é o mais excruciante Outubro, é o mais excruciante Novembro do mais excruciante Dezembro.

- Parece um golpe publicitário muito pontual. Mas, nunca se esqueça, um golpe publicitário muito pontual mesmo teria que ser um golpe desferido pelo tempo! Sem nenhum tipo de concessão! Frente e Verso!

- A conversa está boa, mas chegou a hora. Desaparecerei diante de vocês, conforme o combinado.


E ficou olhando igual uma plateia olha, sempre com muita atenção, pelo menos até ele começar a fazer aquela dancinha.  

(Do livro fictício "Do mais excruciante Dezembro", 2014)

Nenhum comentário:

Pesquisar este blog