segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

A graça daquela palavra

(frente)
(verso)



Havia gordura ao redor da árvore

Desde o umbigo até os ombros dos galhos

Gordura da orelha à boca do estômago

Ela estava em estado de graça

Ela estava protegida por raízes

Expostas na fratura do solo

E ao lado da fatia exposta

Solo de plástico e pedaços de sapato

E água, magma e cabeças de brinquedo

E a gordura da orelha à boca do estômago

É a graça daquela palavra na realidade

Ela estava protegendo pelas raízes

Era o punho cravado no vão da terra

(Do livro fictício "Do mais excruciante Dezembro", 2014)

Nenhum comentário:

Pesquisar este blog