quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Gravação


Laços de cabelos envolvem os dedos,
de maneira espontânea e também ardilosa:

A chuva revirava o velho e a cabra
na correnteza de espasmos enterrados vivo
como uma ampulheta infiltrando som
nas moradas salgadas da memória.
Sopra calor ao redor do osso gelado
com os olhos em raízes de palavras.
Onde a chuva de espasmos enterrados vivo
tudo queda pendurado em rocio de lençóis.

Finalmente aqueles cabelos foram varridos.
Escutei um inseto, mas ainda não encontrei.
E quando eu fui desgrudar os cabelos da vassoura,
a barriga fez o barulho de uma correia rompida.
Eu estava desgrudando os cabelos da vassoura.
O umbigo pulsando nos tímpanos.
O umbigo pulsando nos tímpanos.

- Repete só a parte final, por favor.
- Sequestro de sexo dentro da terra nos túneis de pedra?
- Onde infiltra som não é pessoal? Pessoal, isso é pessoal ou não é pessoal?
- Se você só uiva ou ouve o uivo, e o seu assobio não saía. Rangia as cápsulas de cálcio e veneno com raízes e dor...
- Por acaso você está falando dos meus dentes tortos como fases da lua?

- Eu ouço e uivo o ou, ou ouço o uivo e eu.

Nenhum comentário:

Pesquisar este blog