quarta-feira, 3 de janeiro de 2018

A pior parte do filme

John Stezaker

Essa é a pior parte do nosso filme. A que deixa os espectadores com as piores dúvidas. Eles poderiam ter feito alguma coisa para quem sabe tomarem um melhor rumo? Eles não perceberam o quanto era perigoso acreditar no sentido do engano? Nessa parte do filme, certamente a pior, a escolha de permanecer antiquados, pelo conforto e pela visão que tivemos, onde dois antiquados juntos chamam a atenção por terem escolhido permanecer juntos sem se matarem, é uma escolha de arrependimentos mais dolorosos para um, enquanto para o outro é mais uma questão de espelhos debaixo dos lençóis. Essa é a pior parte do filme, onde a chuva despencando não resolve os nossos problemas, com os quais poucos já são os que identificam. 

Gato Imaginário


Desenho de Feliciano Dessena publicado no livro Antes O Mundo Não Existia de Luiz Lana

As casas tomavam sol naqueles dias frios. Transbordavam animalidades através da pele por onde entra a luz. Um gato marrom parou na frente do portão de casa como um eco. Eu me perguntei “e onde está o meu gato imaginário?”. Já deu cria, e eu cuidei dos filhotes durante o período necessário, mas onde estava? Chamei de volta o bem-te-vi que tinha me chamado. Esses pensamentos pardais roubam ração e deixam carrapatos no quintal mental. Essa casa não está mais encima do muro, afirmei com firmeza materna. Estava frio demais para isso. Onde estava o meu gato imaginário, eu me perguntava. Seu nome era Avessa, mas não era pelo nome que eu chamava.


Ocorria que mesmo com as crias mais crescidas, as que já acumularam um pouco de criação, precisavam sempre ser chamadas pelos os olhos. Pelo fundo dessas frestas luminosas e invasivas cheias de pele que eu chamava. Avessa surgiu de uma das portas, de onde vinha um barulho de chuveiro ligado, e parou como um eco me olhando. Então eu chamei de novo, olhando para a rua por dentro do cristalino costurado nos nervos. Ah, pequeno amigo, fêmea avessa, mãe amiga paterna, ausente indiferente, os melhores sustos que eu temo foi você quem me deu. E eu sempre te chamei com os olhos, por causa do nome Avessa. E eu sempre te alimentei com tudo o que escuto, além de matar a tua sede com sol encima da casa. 

Dois dias

Electric Shadows https://filmow.com/electric-shadows-t19989/


1 de Novembro

Aos poucos, os filmes vão entrando no coração da minha memória. Revelando um centro até então desconhecido, um outro núcleo por assim dizer. Como se eu encontrasse uma nova tomada atrás da estante nesse cômodo horrível onde sempre falta alguma coisa, que é onde estou. Apesar da minha extrema higiene, eu sinto cheiro de urina aqui. Aos poucos as palavras que escolho para acolher o desespero que é o seu corpo, viram palavras que inventam o medo, e vão te atingindo cada vez mais profundamente. Vão revelando o distanciamento que faz funcionar nossa proximidade. Aos poucos as palavras que escolho para agredir os seus medos vão inventando o conforto. O seu conforto a uma distancia segura de mim, a distancia exata da tomada atrás da estante. E tudo isso parecer assim tão invertido me incomoda bem menos do que a sensação de que tudo pareça intacto, independente dos meus esforços.

2 de Novembro


Tenho dificuldade com agendas diárias. Estou sempre escrevendo um dia ou dois à frente do dia indicado na página. Isso está acontecendo agora. Estou semanas atrasado, e escrevendo tão rápido que a taça de vinho bate no copo de café. Eu sempre estou em falta com as vírgulas. Esses atrasos diários que fazem tremer copos vazios encima da mesa enquanto escrevo, e que acumulam esses copos. Decido que amanhã vou tirar esses copos daqui, eles estão atrapalhando o silêncio de que eu preciso. Decido que amanhã vou ir dirigindo até o mercado comprar vinho e café. Mas, o carro, onde me vejo sempre indo seguro para qualquer lugar que eu queira, levando quem eu amo mais apaixonadamente ao meu lado, ainda é inútil para fugir do medo. O medo parecido com o daquele homem que gritava com todo mundo por quem passasse na rua, que já se tornou um velho calmo antes que eu tivesse a chance de atropela-lo no meio de um grito. Um carro totalmente inútil. 

Pesquisar este blog