sexta-feira, 28 de junho de 2019

Os contornos do sentido

Lebanon Havoner
Quando coloco flores nos furos na sua boca é pela tintura que se mistura aos contornos pontiagudos, e porque ela sussurra o que a beleza ensina, costura o que o seu corpo não conhece. Quando toda a minha mão toca a tua barriga pelos contornos pendurados na cintura é porque ela alimenta a fome de seus outros continentes, que tendem a se alimentar só de tijolos e lembranças sem saliva. Quando me arrepio nos seus olhos é porque eles ouvem os contornos esquecidos do seu corpo, então me arrepio até repelir os objetos, para que os seus olhos se assustem e se lembrem de piscar. Quando construo pontes aos seus pés é porque sei que eles despencam como os meus, e atravessando pontes sabemos que a rasteira deve ser dada no momento certo, quando o tropeço está no contorno e a mente está perto do fim da memória. É por isso que engasgo com seu pescoço quando o seu contorno inventado me pega desprevenido, a sua voz atravessa a garganta e infiltra em todos os ouvidos, então engasgo de verdade com as minhas próprias mãos. Esfrego essas frases nas minhas mãos para aquecer o desejo dos olhos, e se isso acalma a cantoria que te contorna em correntes repercussivas é porque o teu corpo queima na invenção do invisível. Acho que foi isso o que quis dizer com "amo as vírgulas da tua cabeça", quando morri como um homem feliz, abraçado ao desfiladeiro entre a sua língua e a sua bunda.

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

Atravesso Grades



Remedios Varo 

Eu preciso atravessar grades constantemente para te mostrar que o seu pulmão é o seu ímã. E mesmo por baixo da sombra do parafuso da grade aberta, enraizo passo a passo os pés nos telhados em atravessamentos por cima de muros. Prolongando cascas de abacaxi das unhas dos pés das mãos dos membros das membranas embaraçadas em espanhol. Perfurando os derretimentos rígidos em ossos de joelho de vidro. Na verdade, joelhos premonitórios de cristal. Joelho é o Deus do movimento, e Deus é o joelho do movimento. Já vi os porcos estilhaçarem mais de uma vez grunhindo a porcelana contra a parede falsa. Eram tempos favoráveis aos invisíveis daqueles muros faustos inventarem. Os afazeres eram inventados através da energia hidráulica em poços sem fundo.

quinta-feira, 24 de janeiro de 2019

Um contraste secreto

Conforme tive a oportunidade de acompanhar alguma parte do seu cotidiano ao longo desses anos não pude deixar de notar a permanência de um contraste no seu ritmo de vida. A alta velocidade dos seus passos, como um elástico arremessando o próprio estilingue, e a irritante lentidão em todo o resto das atividades. Como se andasse sempre muito rápido de um lugar para o outro justamente para poder demorar quando está parado, trocando uma lâmpada do quarto ou colocando mostarda num sanduíche de tomate, por exemplo. É lento até mesmo para parar de olhar nos olhos quando cumprimenta, o que perturba sempre a pressa dos cumprimentos passageiros, e volta e meia é mencionado nas conversas de corredor. A última que falaram foi que demorou uma semana para abaixar o braço esquerdo depois de um gesto onde usava a mão pra se expressar, os dedos pra cima crepitando tudo que contava com aquele apoio. Naquela semana ele parecia uma fogueira esquecida na praia, dessas com uma tira de fumaça atravessando dias e noites. Dessas que se costuma evitar respirar sob o risco de irritação grave, como a tosse de um hipócrita que achava ele tão bonzinho, mas tossia igual um papel que não termina de ser rasgado. Há uma finalidade secreta nesse contraste que parece ser arrancar o tempo silenciosamente das palavras.

sábado, 12 de janeiro de 2019

Loading

Todos os personagens da peça de teatro Loading, meu trabalho de conclusão do curso de Direção Teatral, se reuniram novamente, dirigindo-se a mim numa espécie de intervenção que me surpreendeu. Não esperava que iria encontrar todos novamente assim de uma vez, Andy Warhol, Edie Sedgwick, Werner Herzog, Vladimir Herzog, Mito Pessoal, Jocasta, e até mesmo a adorável dupla Ator Mais Jovem e Ator Mais Velho. . Nessa nova aparição Andy Warhol afirmou que a melhor pessoa para se conversar sobre suicídio é Tennessee Williams, lembrando de quando falou para o dramaturgo sobre o salto para a morte do bailarino Freddy Herko. Edie Sedgwick garantiu com o Doutor Comprimido um ponto de vista privilegiado no blecaute de 1965 em Nova Iorque, alegando que aquele era o melhor lugar para se estar no escuro. O Mito Pessoal convence o ator mais novo a reencenarem a visita do Papa à cidade, e esse busca junto ao ator mais velho mais uma dose letal de informações com as quais certamente ainda não está preparado para lidar. E tudo provavelmente teve um reinício quando eles esclareceram que tinham vindo me dizer, em primeiro lugar, que Loading não era um título apenas inspirado no Loaded do Velvet Underground, mas que essa minha obsessão por títulos com sobreposição de referências secretas nos levou a um resultado inesperado, e ao mesmo tempo previsível: baixamos um vírus. Corta para a saída de um show, no momento que liga o show à vida fora dele, quando a mulher mais linda do mundo me disse que ser óbvio também tem as suas vantagens, e eu me vi desmanchado numa juventude que não passou de uma pasta com arquivos de edição de vídeo não concluídos. Ela era mais uma atriz que tinha desaparecido dentro do próprio texto enquanto cantava antes da estreia. Eu avisei, eu sabia, é isso o que sempre acontece quando eu tento esconder o ar do meu pulmão. No final de Loading também foi assim. Os gritos de uns moleques jogando futebol com bola de meia começaram a ficar ensurdecedores, interrompendo o clima de suspensão em que os personagens olhavam para a plateia até que todos fossem embora. E quando a bola de meia invadiu a cena, e descobrimos que dentro daquela meia não estava a cabeça de Andy Warhol mas sim um pulmão, eu repeti em voz alta (em voz em off) "eu avisei, eu sabia, é isso o que sempre acontece quando eu tento esconder o ar do meu pulmão", usando para isso o único ar que tinha dentro daquele pulmão. Isso deve ter feito com que reaparecessem todos esses personagens, que apesar de não terem feito parte de uma época real em que eu vivi, aparecem como sombras sobre as projeções de muito do que eu vivo. Deve ser por isso que eles resolveram voltar dessa vez, e provavelmente eles ainda voltarão em outras vezes. Às vezes eu me sinto num filme de terror onde eu sou um autor de filme de terror em que o terror são caricaturas de reconhecimento artístico.

Pesquisar este blog